Revista Princípios Digital

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

PCdoB se solidariza com os metalúrgicos capixabas em greve

Os metalúrgicos do Espírito Santo estão em greve e assim passarão a virada do ano, lutando por reposição salarial, enquanto são espantosamente intimidados pela tropa de choque da Polícia Militar e por policiais descaracterizados e de armas em punho avançando contra os trabalhadores, conforme mostra o vídeo do Sindimetal/ES, que pode ser visto no link ao final dessa matéria.
Qual o objetivo da presença massiva e ostensiva da Polícia Militar na portaria da ArcelorMittal/Tubarão, onde os trabalhadores faziam manifestação pacífica em busca de abertura de diálogo com seus patrões para dar início à negociação da pauta de reivindicações?
De acordo com o Sindimetal/ES, “desde que teve início a greve, os protestos dos metalúrgicos acontecem de forma pacífica. E hoje (30/12/2015) não foi diferente. Os trabalhadores protestavam ordeiramente, quando foram surpreendidos por policiais à paisana que sacaram armas e ameaçaram os companheiros.”
Diretores do sindicato disseram que “sem identificação, três policiais fotografavam os trabalhadores que participavam do protesto”. Como não sabia que eram policiais, “os companheiros pediram que não fossem fotografados para não sofrem represálias das empresas. Além de não atenderem o pedido, os policiais sacaram as armas e apontaram em direção aos manifestantes.”
Como os tais policiais a paisana foram filmados, é preciso que sejam imediatamente identificados e que a Secretaria de Segurança pública explique que papel  estavam cumprindo ao fotografarem os grevistas e  por que sacaram das armas e apontaram para os grevistas. Ou será que não eram policiais e sim milicianos a serviço da Arcelor Mittal?
A greve teve início no último dia 17 e hoje (30/12), em assembleia, os trabalhadores decidiram manter o movimento paredista e iniciarão 2016 de braços cruzados.
O Partido Comunista do Brasil se solidariza com os trabalhadores metalúrgicos, que exercem de forma pacífica seu legítimo e legal direito de greve, apoia irrestritamente suas reivindicações e exige que a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Espírito santo explique a sociedade qual o objetivo do excessivo emprego da força  policial na atuação dos grevistas junto à portaria da Arcelor Mittal e, que esclareça se eram policiais aquelas pessoas descaracterizadas que filmavam os trabalhadores, por que filmavam e por que  sacaram armas em direção aos trabalhadores.
Link para o vídeo do Sindimetal/ES: 

Polícia cerca Sindimetal-ES
Veja no vídeo a quantidade de policiais que hoje pela manhã cercou o Sindimetal-ES e impediu que os trabalhadores lutassem por melhores salários.
Posted by Sindimetal-ES on Quarta, 30 de dezembro de 2015






Link para a página do SINDIMETAL no Facebook:





Nenhum comentário:

Postar um comentário